Home » O mundo no chão by Nuno Casimiro
O mundo no chão Nuno Casimiro

O mundo no chão

Nuno Casimiro

Published
ISBN :
32 pages
Enter the sum

 About the Book 

Sinopse: «Aqui perto, dois quintais abaixo e uma eira à esquerda, fica uma velha casa que está abandonada desde sempre ou, pelo menos, desde que me lembro de a ver. É muito parecida com as restantes casas das redondezas: janelas pequenas e uma portaMoreSinopse: «Aqui perto, dois quintais abaixo e uma eira à esquerda, fica uma velha casa que está abandonada desde sempre ou, pelo menos, desde que me lembro de a ver. É muito parecida com as restantes casas das redondezas: janelas pequenas e uma porta a um palmo do chão e, no piso de cima, janelas maiores em madeira pintada. Da parte de trás, voltada para o que foi o quintal, fica uma escada de pedra com o resto de um corrimão de ferro que termina numa varanda pequena a segurar o telhado. Foi aí, num dos quartos do primeiro andar, que a história aconteceu já lá vai algum tempo... Entre galinhas e as imagens do cinema itinerante do senhor Antunes, o mundo e as suas contradições saem de um buraco do soalho roto. Será que a curiosidade tramou o gato? »....«Uma casa abandonada numa aldeia é sempre um bom ponto de partida para uma história. Seja escrita a pensar nos mais novos ou nos outros. Aqui, Nuno Casimiro alia esse ambiente despojado a uma homenagem ao cinema e às memórias daqueles tempos em que as sessões se passavam na rua, no adro da Igreja, projectadas num lençol esticado. No caso, no lençol do senhor Antunes, “um homenzinho gordo, com um bigode preto muito lustroso, retorcido nas pontas, a apontar para uns olhitos muito brilhantes”. Um texto muito delicado na sua expressão e que se vê ampliado de sentido e pormenores pela inconfundível estética e humor das ilustrações de João Vaz de Carvalho. A narração começa por ser feita por um gato, mas lá mais para o fim haverá uma inesperada alteração, porque nunca se sabe o que se pode encontrar num buraco no chão de uma casa abandonada. Se há magia no cinema, na literatura também. [...] Rita Pimenta http://blogues.publico.pt/letrapequen...